Minhas árvores SOU EU – depoimento de Marilice Costi

por: Marilice Costi
  • Nada somos sem acolhimento, sem liberdade para criar. Valorização, liberdade e autoestima são fundamentais. A coragem de criar resgata a riqueza que temos dentro de nós. 
  • Eu era adolescente e minha tia,  Irmã Leonardina Sana, passava uns dias conosco. Assim como em seu trabalho utilizando o método Montessori, ela observava muito o que eu fazia. Eu gostava de lhe mostrar as minhas artes, pois ela sempre tinha algo a me dizer. Naquele ano, ela trouxera um livro sobre desenhos e, antes, disse-me: “Queres ver? Tu és uma artista… teu desenho é você, minha querida. Desenha a tua árvore.” Quando lhe entreguei o desenho,ela deu uns pitacos e foi buscar um livro: O teste do desenho como instrumento de diagnóstico da personalidade me introduziu à arteterapia, o que fui descobrir muito tempo depois.. Na folha de rosto, consta a dedicatória: “Mari, o desenho expressa e conta aos outros o que jamais diríamos por ser nosso, tão intimamente nosso. Ao lado da “Arte”, ele muito te ajudará na compreensão e conhecimento dos que contigo crescerão.” Estávamos em 1970. Minha tia orientava minha mãe nas minhas dificuldades típicas da adolescência, que se acerbavam com a minha hiperatividade, criatividade e curiosidade.

A árvore surgiu em uma folha de ofício branca, a lápis. Frondosa, ocupava toda folha. Poderíamos dividir o papel em 4 e as partes se pareceriam. A copa espelhava a imagem das raízes. Sem rama, entre os galhos, uma lua cheia, marcava o quadrante superior direito.

Minha estrutura familiar era repleta de experiências e afetos, pessoas, comidas, cuidados, tudo explicaria também as nossas raízes, escutei dela também. Pais, tios, primos, irmãos, sobrinhos e tudo que circulava ao meu redor naquela casa diariamente era de uma riqueza imensa. Minha mãe atendia:os pobres a pedirem roupas ou alimentos, os operários da fábrica a pedirem emprego, seus filhos e suas mulheres a não saberem mais o que fazer no casamento, os vendedores de livros, os que ofereciam joias… muitos estrangeiros em busca de sustento e trabalho vendiam produtos. Os padres, freiras e bispos, profissionais da APAE, pessoas da comunidade… além dos amigos de papai.

Nesse tempo de minha árvore primeva, eu tinha muito a aprender em todas as direções.

Lembro que titia afirmou que a lua era um símbolo paterno, referindo-se a quem parecia ser minha companhia preferida.

E as árvores passariam a me ensinar mais e mais. Segui para as artes e cursei no Instituto de Belas Artes. Ali, em uma das aulas de técnicas, surgiram árvores frondosas com diversos grafite macios. Depois, a mesma imagem foi feita com aquarela.

Naquela época, eu dava a mão a uma criança e saíamos de uma floresta. Imagem que só hoje compreendo bem seu significado e percebo seu valor. Fora apenas um exercício (fig 1) solicitado pela professora, mas quanto isso passou a ser parte de minha vida!

1973 - Aquarela do Arquivo de Marilice Costi

                Figura 1 – 1973 – Aquarela – Arquivo MC

Muitas árvores passaram a fazer parte de mim, tanto que elas nos dizem!

Pintei muitas árvores mais: cartões de Natal receberam araucárias, plátanos demonstrariam resistência e resiliência ao suportar a carga das videiras – o que se vê no noroeste do RS, beleza a cada estação ao mudar de cor.  O plátano me representeou durante um bom tempo.

Mais adiante, num evento de Arteterapia, percebi que agora era flamboyant, esparramando-se além do lugar comum em ramas floridas, era outra fase em minha vida (fig.2).

mc-arvore-vivencia-congresso-arteterap-2006-ok

                  Figura 2 – Workshop de Arteterapia – Arquivo MC

Em muitas edições na revista O Cuidador, periódico que criei em 2008, ela está lá como metáfora do cuidador. Basta prestarmos atenção à sua forma, utilidade, à sua importância em nossa vida e perceberemos o quanto a árvore é importante para nossa sobrevivência. Ela nos dá sombra, flores e frutos, acolhe ninhos… O cuidador também: alimenta, protege, carrega, acolhe…

Segui na criação da revista O Cuidador. Na primeira capa, uma árvore oca deu início ao que viria nas 40 edições seguintes (hoje on-line). As árvores demonstravam sempre como era o andamento da revista e o quanto um cuidador precisava de cuidados. Ela demonstrou a importância do cuidado na vida de quem não tinha mais o que dar a não ser a própria vida.

A árvore era agora outro olhar sobre o coletivo (fig.3), os cuidadores em todas as esferas.

oc1-1-capa

Figura 3 – Árvore oca com parasitas  Revista O Cuidador – Edição 1/2008

A imagem da árvore esteve na capa de muitas edições.  Na edição 30 (fig. 4), utilizei um desenho feito em pastel oleoso, na década de 80. Pintei a dor. Visitei Silveira Martins no Rio Grande do Sul, onde chocara-me com a ordem do Prefeito. Os plátanos da praça principal foram abatidos, os troncos sangravam, a seiva no corte avermelhado era jogada para minha retina. O vazio que viria na morte de tantas árvores centenárias, daria lugar à nova e moderna pavimentação com lajes de basalto trazendo a modernidade ao município.

A imagem ilustrou a revista que trouxe a sustentabilidade e as moradias para pessoas com deficiências psicossociais.

capa-oc-30-arvore-bx-ok

Figura 4 – Plátanos derrubados na praça central em Silveira Martins capa da edição 30 – Revista O Cuidador – Arquivo MC

Na comemoração dos cinco anos da O Cuidador, outra árvore na capa. A árvore oca estava com vida agora, frutificara e ganhara estrutura, liberdade e cultura estavam em seus ramos (fig.5).

unnamed

Figura 5 – Comemorativa dos 5 anos da revista O Cuidador Edição 30 

Anos depois, perdi minha mãe. Em uma tela, usei tinta acrílica, novo quadro. Minha árvore permaneceria frondosa após a morte de um amor, após a passagem de minha mãe. A árvore novamente a fazer parte do meu autocuidado.

Figura 6 – 2014 – Perdas e resiliência – Arquivo MC

A revista teve que mudar de rota em 2015. Após a 40ª. edição, encerraríamos este projeto por tempo indeterminado. Com nova residência e resistência, sua nova moradia no site Sana Arte, onde poderá ser objeto de pesquisa por valores irrisórios (fig. 7).

2015 Revista O Cuidador - capa edição 40 - Autoria Marilice Costi

Figura 7 – Frondosa – a revista seguirá.     Revista O Cuidador – Edição 40

Quando houve o vendaval em Porto Alegre no início de 2016, vê-las tombadas me fizeram chorar. Aquelas árvores me acolheram e me ensinaram em muitos momentos. E continuam, pois se eu olhar meus desenhos novamente, poderei ter novos insights. Elas também me auxiliam no trabalho de arteterapeuta. A saúde é um tênue fio a conduzir a vida, assim como são as árvores que todos nós podemos desenhar.

Marilice Costi

Marilice Costi é especialista em Arteterapia, escritora, poetisa, criadora e editora-chefe da revista O Cuidador (2008-2015), hoje on-line. É arquite­ta e urbanista, mestre em Arquitetura. Recebeu diversos prêmios em literatura, tem livros publicadosGatilho na Palavras, Como controlar os lobos?, A fábula do cuidador entre outros. Recebeu Prêmio Açorianos 2006 com Ressurgimento. Criou a primeira oficina de poesia de Porto Alegre em 1995. É membro  da Academia Literária Feminina do RS e da AATERGS (Associação de Arteterapia do RS). Dá palestras, ministra oficinas. É mãe cuidadora.

coraçõesA plataforma www.CUIDAQUI.com é seu novo projeto para cuidar pessoas com deficiências e quem as cuida.

Participe deste blog, opine abaixo! 

Porto Alegre, 20/09/2016

NOTA: Em novembro/dezembro de 2016, o CCCEV de Porto Alegre/RS acolheu a exposição IMAGENS QUE CUIDAM. Foram expostas capas da revista O Cuidador, a imagem criada por Marilice Costi e a descrição do seu processo criativo. O intuito foi: estimular as pessoas quanto à empatia e ao autocuidado. Esse projeto pode ir também para sua cidade.

exposição das capas da revista O Cuidador

Exposição das capas da revista O Cuidador em Porto Alegre/RS