Quem cuida do cuidador?

por: Marilice Costi

Você tem conhecimento do isolamento social dos cuidadores familiares? De quem tem filho com deficiência? Do tempo despendido para cuidá-los? Além dos cuidados diários e da luta pela sua inclusão, é preciso protegê-los de toda forma de abuso, negligência e maus tratos, do bullying entre outras coisas, muitas que surpreendem a família.  Com tantas tarefas e preocupações, o autocuidado do familiar passa a ser nenhum e o seu adoecimento é consequência.

Enquanto se é jovem uma noite de sono pode aliviar as dores do cansaço. Mas com o tempo, o excesso de cortisol passa a não ser mais reconhecido como deveria. Exames resultam em taxas permanentemente altas, o nosso corpo não sabe mais o que é realmente descansar.

A força dos familiares, com o passar do tempo, vai se esvaindo, o que é natural. No entanto, há dúvidas permanentes. Atrás daquele por de sol, quantos temporais aguardam?

Familiares de pessoas especiais não sabem para quais caminhos a vida os levará, o quanto de energia lhe exigirá, o quanto de coragem e força terão que despender para continuar construindo a própria história. O futuro é uma incógnita, por isso é tão importante cuidar de si mesmo.

No entanto, existe um sentimento que pode dar ânimo ao cuidador e é o que mantém muitos familiares de pessoas com deficiência na luta pelos seus filhos. 

Moacyr Sclyar, um dos primeiros colaboradores da revista O Cuidador, nos enviou um texto elegante e delicado, parte dele está transcrito abaixo: 

O que torna uma pessoa cuidadora?

Alguém dirá que se trata de uma vocação especial. Isto existe em muitos casos, mas não basta. Cuidar não é apenas questão de generosidade, é questão de técnica, de conhecimento. E exige dedicação. Os dias se passam, as semanas, os anos, e os problemas que invalidam a pessoa, que a fazem sofrer estão ali presentes, às vezes melhorando, às vezes se agravando. Isto significa que a pessoa precisa renovar, às vezes diariamente, às vezes hora a hora, a sua disposição para cuidar do outro. Ou seja: os cuidadores precisam ser cuidados.

Há muitas maneiras de fazê-lo, desde o treinamento até formas de suporte psicológico. Mas quem tem experiência nesta área sabe: uma coisa que funciona é a gratidão. A gratidão da pessoa que está sendo cuidada, de seus familiares, de seus amigos. Um simples "obrigado" pode fazer muito pelo cuidador ou pela cuidadora. Esta palavra é, ela própria, um cuidado, uma verdadeira cura para os revezes que encontramos em nossa existência e em nosso trabalho, particularmente quando este diz respeito à doença. Cuidemos dos cuidadores. Assim estaremos cuidando de nós mesmos e da humanidade como um todo.

O valor da gratidão

Não há nada que gratifique mais um familiar que cuida do que um olhar de gratidão. Isso pode ocorrer tanto na expressão de um idoso ou de uma pessoa especial. O reconhecimento pode ser uma mínima demonstração: o sorriso largo, o carinho, o toque das mãos ao acariciar o rosto do cuidador. 

Essa emoção pode não desfazer o desgaste do dia, a exaustão de meses... mas esse simples ato de gratidão é insubstituível e é o reconhecimento por tantas preocupações, dedicação e noites em claro. 

Pequenos gestos de um familiar

Essa gratidão não precisa ser apenas da pessoa que é cuidada, ela também pode existir em um irmão ao presentear a irmã que cuida de um dos seus pais, ao convidar a pessoa cuidada para dar um passeio ou tomar um sorvete. Aliviar o cotidiano de quem cuida é importante. Lembrar do aniversário do cuidador, comparecer para uma visita e dizer ao familiar que cuida: vá dar uma volta, descanse essas horas que estarei aqui... 

Pequenos gestos de carinho e de consideração podem resgatar o vínculo perdido entre os familiares, reabrindo caminho para uma nova jornada entre eles. 

Dialogar, doar-se e compartilhar, mesmo que o que se possa doar seja pouco, enriquecem a nossa vida e podem ser fundamentais para dar ânimo e momentos de relaxamento ao cuidador. Demonstrar afeto é simples, mas muito importante. 

 

Cuidaqui e O Cuidador

É para eles, para lhes auxiliar no seu cotidiano, que existe CUIDAQUI.com . Aqui encontrará acolhimento, orientação, atenção, cuidados e muito mais, inclusive dicas de lazer. Aguarde as novidades.

Se quiser se informar mais, escolha abaixo uma edição no arquivo que pode baixar aqui, gratuitamente. São as capas e os temas das 40 edições da revista O Cuidador.

Se desejar alguma edição, pode adquirir on-line no www.sanaarte.com.br – Publicações/revistas. Ali também temos os livros onde encontrará A fábula do cuidador, um livro para auxiliar o cuidador no cuidado consigo mesmo.

Confira e solicite aqui.

  •  

Marilice Costi _________________________________________________