ARTETERAPIA: Cuidados com Mães Cuidadoras

por: Marilice Costi

Familiares de pessoas com deficiências psicossociais não costumam cuidar de si. E adoecem muito. Transformam-se em uma máquina, um trator, como já me disse uma mãe. Esta conta é do SUS, dos planos de saúde, da família. Resultam em dores, problemas de pressão, fibromialgia, depressão, entre outras doenças crônicas. Para os profissionais é chamada de “burn-out” – a exaustão do cuidador, para familiares não existe. O sofrimento dessas pessoas é considerado secundário não só por elas, que nem se dão o direito de “despencar”, mas pelos profissionais que atendem seu filho. O cuidador suporta, suporta e suporta! Mesmo assim, esse cuidador familiar é invisível.

Como fica a família se esse cuidador adoecer tanto que se tornará incapaz de cuidar?

Atender essas mães é fundamental em uma família.

Como a arteterapia pode acolher e dar sentido de vida a essas mulheres?

A Arteterapia pode ajudar muito a socializar esse familiar, ampliar seu olhar sobre si mesmo, apoiar nesse caminho tão difícil… Esse é o assunto a ser abordado em uma das mesas redondas, por Marilice Costi, no 13º Congresso de Arteterapia em Camboriú/SC, de 11 a 13 de outubro.

Cuidaqui coraçõesMARILICE COSTI é palestrante. Arteterapeuta (AATERGS 072/0808). Escritora e Editora  da revista O Cuidador  durante 7 anos (hoje online).Dirige Sana Arte.

Tem 9 livros publicados. Leia a opinião dos leitores aqui: A palavra e o cuidado, A fábula do cuidador, Gatilho nas Palavras, Ressurgimento, Como controlar os lobos? Proteção para nossos filhos com problemas mentaisentre outros. Aguarde A palavra e o cuidado (Arteterapia & Literatura) para 2018.

Cuidaqui corações