Eu, professora e Burnout – saiba mais sobre esta doença

por: Marilice Costi

“Ninguém cresce sem superar as dificuldades”. Tania Zagury

 

Nossos professores adoecem muito. Por quê?

O adoecimento de um docente pode ter muitas causas, entre elas o nível de exigências pessoal, cobranças de desempenho para ser “mediador competente, carismático, motivado, amoroso e encantado”, cativante e estimulante do aprendizado dos alunos, ainda que as condições de seu ambiente de trabalho sejam muito desfavoráveis.

Ora, o professor é um ser humano, tem sentimentos, sofre como qualquer pessoa e qualquer sistema educacional é subordinado a um plano de país, não? E então… quanto sofrimento a mais ele tem?

Em sala de aula, o comando é do professor, ele é o maior responsável pelos acontecimentos (quanta responsabilidade!) e também por isso deve ser mais valorizado e respeitado!

Há semanas, senti leve alento. Um Juiz deu ganho de causa a um professor que se defendia de um aluno. Que boa notícia! – disse para mim mesma em voz alta. Senti esperança no futuro e fiquei feliz pelo docente. O país está mudando?

Está mais do que na hora de colocar pais e alunos, gestores e governo em seus devidos papéis. Educação se aprende em casa. Mas com quem? Isso tem a ver – e muito – com a situação feminina atual, resultado da luta das mulheres pelo direito ao trabalho, o que teve início na queima dos soutiens na França. Muitas atualmente pensam: e valeu a pena? Sobrecarregadas com três turnos de trabalho, elas se esgotam. Ficou difícil cuidar de tanta coisa… Devido ao pouco ou nenhum tempo com os filhos, elas abandonam a sua função fundamental de educadoras repassando essa responsabilidade familiar à escola.

O livro traz “a síndrome de Burnout” através da vivência de uma professora. O que ocorreu? Como isso refletiu na escola? Como aprender com a dor do outro? Como transformar a escola em um lugar melhor? São muitas as perguntas que a comunidade precisa responder e, com certeza, esse livro será facilitador de respostas.

O professor é fundamental para a aprendizagem. Ele também faz os alunos crescerem como cidadãos ao lhes impor limites, a frustrá-los com as notas, a exigir o máximo de cada um (e isso é uma obra de arte!), a fazer com que cada um sinta-se único e especial e, mesmo assim,  parte do coletivo… ser professor é ser um artista da vida e do futuro de todos.

Quantos recursos aprendemos na escola? Quem lembra aquele professor exigente, lembrará de alguém que ensinou que esforços dão resultados… Este será o professor lembrado, ele tocou no aluno de modo muito especial e lhe ensinou também como é a vida.

Os leitores também compreenderão por que esse estado de coisas se instalou na educação brasileira e isso têm adoecido e afastado os bons profissionais, desestimulado muitos outros, atraindo e mantendo os menos comprometidos. Ao analisar como os discursos progressistas pós-modernos contribuíram para solapar o trabalho docente, desorganizar o ambiente escolar e tornar o nosso sistema de ensino um dos piores do mundo, o livro aborda a natureza dos problemas do ensino públi­co sob uma perspectiva diferenciada, fundamentando-se em referências teóricas praticamente inéditas aos profissionais da educação, referências que se pautam nas descobertas da Ciência e não em teorias pedagógicas e metodológicas idealistas e ultrapassadas, que ainda dominam a área.

O livro envolve e faz entender tantos erros cometidos em nosso sistema educacional até hoje e a compreender o grito mudo da classe mais importante do Estado composta por 2 milhões de pessoas!

Kátia Simone Benedetti e Íria de Marco, as autoras, esclarecem, ensinam, fazem pensar e abrem horizontes para que se possa compreender, agir e reduzir o sofrimento dos professores. Estão de parabéns por seu trabalho de pesquisa. Burnout – doença profissional que não deveria ser tão comum na classe docente – pode ser reduzida, o que realmente se espera em todo o país.

 

EU, PROFESSORA… e BURNOUT

ISBN v. impressa: 978853626228-4

ISBN v. digital: 978853626265-9

Eu, professora… e Burnout

Mais informações, acesse as autoras pelo Facebook.

Marilice Costi _________________________________________________

escritora, professora, arteterapeuta, arquiteta e urbanista, mestre em Arquitetura (Economia e Habitabilidade), consultora, mãe cuidadora. 

Dá palestras e workshops, oficinas e workshops a públicos diversos. (Veja suas Oficinas aqui.) Editou mais de 6 anos as 40 edições da revista O Cuidador e criou as imagens de suas capas.

Autora de diversas publicações. Leia a opinião dos leitores de: Como controlar os lobos? Proteção para nossos filhos com problemas mentais, A fábula do cuidador, TemposFrágeis, Ressurgimento-Prêmio Açorianos 2006 e outros.

Dialogue com a autora MARILICE COSTI nos comentários abaixo.